Offcanvas Section

You can publish whatever you want in the Offcanvas Section. It can be any module or particle.

By default, the available module positions are offcanvas-a and offcanvas-b but you can add as many module positions as you want from the Layout Manager.

You can also add the hidden-phone module class suffix to your modules so they do not appear in the Offcanvas Section when the site is loaded on a mobile device.

A "síndrome de Macunaíma" persegue a sociedade brasileira e se traduz nessa incapacidade que ela teria em matéria de organização, disciplina e preservação de suas instituições mais caras e imprescindíveis. Esse "caráter fraco", oscilante, puxado a moleque, seria a matéria que comporia o nosso ethos, essa palavra que significa o espírito que define uma coletividade humana, uma sociedade ou instituições sociais, ademais de agregá-lo às suas realizações e às expressões de seus traços culturais.

Infelizmente, nós, brasileiros, sempre cultivamos um péssimo conceito da nossa civilização, isso sem falar das impressões alienígenas - preconceituosas e colonialistas - a exemplo daquela frase atribuída ao estadista francês, general Charles de Gaulle, de que "Le Brésil n’est pas um pays sérieux" (O Brasil não é um país sério).

Nos anos '60 do século passado houve uma crise política entre o Brasil e a França causada pela apreensão de barcos pesqueiros franceses na costa brasileira e, irritado, o então presidente francês de Gaulle teria dito que o Brasil não era um país. Para amenizar a crise, o próprio embaixador brasileiro em Paris, Carlos Alves de Souza, teria acrescentado o "sério", emenda que, pelo mal-estar que causou e ainda causa às relações diplomáticas entre os dois países, foi pior que o soneto. De Gaulle morreu negando ter dito isso, mas, o certo é que os próprios brasileiros incorporaram a frase como obrigatória nas suas próprias definições sobre o Brasil, principalmente diante de certo fatos políticos constrangedores. E para acanalhar de vez, exumam o mito do Macunaíma, o herói sem caráter de descrito por Mário de Andrade no romance homônimo (editado em 1928).

No entanto, embora esse perfil macunaimesco ainda esteja presente em nosso ethos, muita coisa mudou por aqui. O Brasil mudou muito neste último meio século e parece ter encontrado as balizas para o seu desenvolvimento social, político e econômico, enquanto nação. E tem dado belos exemplos ao mundo, como fez com o tortuoso caminho de retomada da democracia no início dos anos '80 do século passado, em que e reconciliação política nacional fez-se sem maiores traumas, a despeito de uma guerra surda e fratricida que, ao longo das duas décadas anteriores, ceifou a vida de muitos brasileiros.

Os atalhos que negam a democracia sempre levam a tragédias políticas difíceis de superar, conforme reiteradas lições da História

O coroamento dessa empreitada de reconstrução democrática foi, sem dúvida, o processo constituinte de 1988 que, apesar dos tantos percalços e "buracos negros" dotou um Brasil de um regime político estável e de um conjunto de instituições plasmado numa Constituição moderna e inovadora que realça o perfil democrático e pacífico do Estado brasileiro, ademais de estabelecer uma pauta de direitos e garantias individuais, coletivos e supra-individuais que, em seu conjunto, reforçam em muito as noções mais avançadas de cidadania, no rumo da participação interativa dos cidadãos nos processos de gestão e de controle político das atividades do Estado. Em suma, apesar do drama dos desaparecidos políticos, mortos e torturados na época do regime militar (1964-1985) que não deve ser esquecido e merece uma solução digna, o Brasil, pode-se dizer, é um país bem resolvido com sua História. O Brasil, agora, é um país sério.

Em 05 e em 26 de outubro de 2014, ocorreu um dos processos eleitorais mais significativos do planeta, com a participação de 143 milhões de eleitores aptos a votar, que escolheram o presidente e vice-presidente do Brasil, todos os governadores e vice-governadores dos Estados e do Distrito Federal, um terço do Senado Federal, todos deputados federais e estaduais. Mais uma brilhante afirmação da democracia que o povo brasileiro ousou construir nas últimas três décadas e que parece ter aprendido aquela famosa lição do constitucionalista francês Georges Burdeau, quando diz que "os males da democracia só se curam com mais democracia".

Vamos votar, bem ou mal, votar sempre. A abstenção, o voto nulo e o voto em branco, são o paraíso dos omissos e negação da democracia. O cidadão-eleitor não deve se omitir. De lembrar, aliás, que aos omissos o poeta Dante reservou nono circulo do inferno, lá onde vivem também os traidores e o próprio Lúcifer. Na ordem republicana e democrática, o momento do voto deve ser o de manter os acertos e corrigir os erros.

Os atalhos que negam a democracia sempre levam a tragédias políticas difíceis de superar, conforme reiteradas lições da História.

* Paulo Linhares é Doutor em Direito Constitucional, Advogado Militante. Articulista do site/portal www.novoeleitoral.com.

Este artigo é de responsabilidade exclusiva de seu autor, não representando, necessariamente, a opinião dos editores do site/portal www.novoeleitoral.com

Comments powered by CComment