Offcanvas Section

You can publish whatever you want in the Offcanvas Section. It can be any module or particle.

By default, the available module positions are offcanvas-a and offcanvas-b but you can add as many module positions as you want from the Layout Manager.

You can also add the hidden-phone module class suffix to your modules so they do not appear in the Offcanvas Section when the site is loaded on a mobile device.

Caiu como uma bomba de alguns megatons, no meio institucional provinciano, o artigo publicado jornal Tribuna do Norte, de Natal-RN, edição de 15 de setembro deste ano de 2015, assinado pelo desembargador Cláudio Santos, atual presidente do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte.

De início, a boa estrutura do texto traz à lembrança a anterior militância jornalística desse magistrado que, sem maiores cerimônias nem panos quentes, expôs a grave situação de crise financeira que enfrenta, neste momento, o Estado do Rio Grande do Norte. E usou palavras duras e cruas para dar o seu recado.

Ademais de não ser usual esse tipo de manifestação a envolver o ponto de vista do chefe de um dos poderes, o Judiciário, o inusitado do texto que veio a lume é a crítica que faz à gestão dos recursos do Fundo Previdenciário estadual por parte do atual governo e aponta para o iminente colapso do respectivo regime próprio de previdência social que tem como unidade gestora o Instituto de Previdência dos Servidores do Estado do Rio Grande do Norte – IPERN, caso seja mantido o saque mensal em torno de R$ 50 milhões para cobrir o pagamento das folhas de inativos e pensionistas, cujo total utilizado e sem possibilidade de retorno a curto e médio prazos, já chega a quase R$ 500 milhões, algo que representa grosso modo quase 50 por cento dos ativos financeiros desse Fundo.

Com efeito, o importante da posição assumida pelo desembargador Cláudio Santos é que paradoxalmente destoa do tratamento que a magistratura potiguar, até agora, tem dispensado aos recursos da Previdência estadual, constantemente acossada por decisões judiciais marcadas pela excessiva generosidade com que têm dissipado prodigamente esse patrimônio social dos servidores públicos estaduais do Rio Grande do Norte, a exemplo daquela que determinou o bloqueio de valores do Fundo Previdenciário para pagamento de parcelas do Auxílio-Moradia a magistrados e membros do Ministério Público, quando por expressa previsão legal esses recursos somente podem ser utilizados para cobertura de benefícios previdenciários. Claro, muitas das decisões judiciais são legítimas e traduzem a correta aplicação da lei; censuráveis são os excessos que terminam por mostrar que não apenas o Poder Executivo estadual pode ser responsabilizado pelas investidas contra os ativos financeiros do RPPS/RN.

O desembargador Cláudio Santos vem focar um tema que tem sido olimpicamente alvo de desdém e olvido por parte das autoridades públicas deste Estado. Os desarranjos da previdência própria dos servidores deste Estado não são apenas financeiros. Ora, o marco regulatório da reestruturação do RPPS/RN está a completar dez anos (Lei Complementar Estadual nº 308, de 25 de outubro de 2005) e soa estranho que até agora um dos seus mais importantes institutos jurídicos não tenha sido posto em prática, que é a chamada gestão única, aliás, mera reprodução de exigência contida na própria Constituição da República.

Que é isto? Nos regimes próprios de previdência social de servidores estaduais e municipais somente pode haver uma instituição gestora do passivo (concessão de benefícios) e do ativo (recursos financeiros) previdenciários. No Rio Grande do Norte, todavia, em franca agressão a esse preceito a gestão previdenciária é múltipla: a concessão de benefícios dos poderes Legislativo e Judiciário, Ministério Público, Tribunal de Contas e de vários entes autárquicos, fundacionais e até órgãos da administração direta do Executivo, não é feita, ainda, pela autarquia que deveria ser a gestora única: o IPERN. Ao lado desta questão há, ainda, várias outras sem solução, mesmo dez anos após a entrada em vigor da LC nº 308/2005. Lastimável.

A Previdência dos servidores estaduais do Rio Grande do Norte deve ser tratada com seriedade e prudência, dadas tantas vidas que é destinada a garantir. Algumas raras pessoas têm pregado isto, nestas paragens de Poti, para um deserto de céticos. De se esperar que, doravante, possa haver mudanças deste cenário a partir das cáusticas diatribes do presidente da mais alta Corte de justiça deste Estado e chefe do Poder Judiciário estadual, para impor mais seriedade no trato com o patrimônio maior dos servidores desta unidade federativa, que é a sua previdência social própria.

OUTROS ARTIGOS DO AUTOR:

De apostas macabras

A briga do Hub

De fatos e desejos

As mungangas do golpe

De Moros y Cristianos

Agenda de retrocessos

Uma incômoda aliança

O grego de cada um

* Paulo Linhares é Doutor em Direito Constitucional, Advogado Militante. Articulista do site/portal www.novoeleitoral.com.

Este artigo é de responsabilidade exclusiva de seu autor, não representando, necessariamente, a opinião dos editores do site/portal www.novoeleitoral.com

novoeleitoral.com: tudo sobre direito eleitoral. Tudo sobre direito partidário

Comments powered by CComment