Por Herval Sampaio e Joyce Morais

E por outro lado, o que fazer para evitar transtornos como os ocorridos?

Temos como aliar o combate à corrupção e evitar prejulgamentos que tragam danos irreversíveis?

Até que ponto a repercussão negativa da Operação Carne Fraca em relação aos produtos alimentícios adulterados pode afetar no real sentido da investigação da Polícia Federal?

A luta incessante no combate a corrupção pode e deve ter limites na questão econômica?

Segundo o órgão investigador, o objetivo da atuação seria a conduta irregular e a prática de corrupção por alguns agentes públicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e não lançar dúvidas sobre o sistema sanitário brasileiro.

Será que isso ficou bem claro desde o começo ou só nos esclarecimentos de ontem vimos essa preocupação?

O que foi divulgado no dia da operação e a forma de divulgação foi correta? E acaso positivo, foi a mídia que exagerou, como sempre, sendo sensacionalista e promovendo um espetáculo desnecessário, assustando os brasileiros e prejudicando a exportação de carnes?

Todo o alarme e temor causado pelas informações divulgadas sobre as suspeitas em torno da qualidade da carne brasileira prejudicaram a imagem do país internamente, perante nossos consumidores, e também no exterior. O impacto econômico foi imediato. Após a publicização da Operação, as ações da JBS e BRF, principais exportadoras do país e citadas na investigação, fecharam em baixa, bem como diversos países já suspenderam a entrada de nossa carne em seus países e alguns deles de todos os frigoríficos e não só os suspeitos na qual a Polícia Federal encontrou irregularidades.

Outra indagação, a Polícia Federal nesses dois anos de investigação se especializou tecnicamente para conduzir a investigação e apontar com precisão as suas conclusões iniciais?

Entretanto, o problema vai muito além da saúde financeira dessas empresas. O país, que já vive uma grave crise, teve sua economia afetada por conta dos impactos negativos da operação da Polícia Federal. O Brasil é considerado o segundo exportador de carne bovina do mundo, o maior de frango e ocupa o quarto lugar na exportação de suínos. Alguns países inclusive chegaram a suspender a compra da nossa carne como destacado e isso já traz segundo alguns especialistas quase um bilhão de reais de prejuízo.

Mais tarde, o presidente Michel Temer se reuniu com diversos embaixadores para dar explicações sobre o caso. O Ministro da Agricultura, Blairo Maggi, concedeu entrevistas tranquilizando a população como destacado por Herval Sampaio http://novoeleitoral.com/index.php/artigos/hervalsampaio/755-agora-falando-de-carne-bovina-de-ave-e-suina-sera-que-elas-sao-fracas-mesmo  e até mesmo a Fenapef (Federação Nacional dos Policiais Federais) se manifestou.

Em nota, ela criticou a postura dos seus agentes onde tratou como "atuação irrepreensível" o fato de que aqueles que trabalham nas investigações não participam da divulgação e comunicação após o fim das operações, condenando a "prática, muitas vezes, com caráter somente midiático, que vem sendo adotada apenas pelos delegados federais".

O fato é que a Polícia Federal é considerada uma das instituições mais confiáveis pelos brasileiros. A divulgação da informação de que a Operação Carne Fraca seria a maior atuação da PF, na história, causou uma proporção maior do que realmente foi. E toda essa dimensão foi altamente negativa para todos, isso independentemente do mérito em si da própria operação e a indiscutível necessidade se intensificar o combate à corrupção. http://novoeleitoral.com/index.php/artigos/hervalsampaio/753-a-carne-fraca-da-corrupcao-e-a-relacao-promiscua-com-os-partidos-politicos

O Ministério e a PF emitiram uma nota conjunta esclarecendo alguns pontos da Operação. Vejamos a nota na íntegra:

Nota APCF - Carne Fraca

Sobre a Operação Carne Fraca, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e a Polícia Federal esclarecem

1. A reunião ocorrida hoje (21) entre o Secretário Executivo do MAPA, Eumar Roberto Novacki, e o Diretor Geral da PF, Leandro Daiello Coimbra, teve como objetivo fortalecer a relação entre as instituições e reafirmar o compromisso de ambas em elucidar os fatos investigados.

2. A operação deflagrada na última sexta-feira (17) tem como foco a eventual prática de crimes de corrupção por agentes públicos;

3. Embora as investigações da Polícia Federal visem apurar irregularidades pontuais identificadas no Sistema de Inspeção Federal (SIF), tais fatos se relacionam diretamente a desvios de conduta profissional praticados por alguns servidores e não representam um mau funcionamento generalizado do sistema de integridade sanitária brasileiro. O sistema de inspeção federal brasileiro já foi auditado por vários países que atestaram sua qualidade. O SIF garante produtos de qualidade ao consumidor brasileiro.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Polícia Federal

É preciso então se ter muita cautela com aquilo que é divulgado e reproduzido. Há muito tempo, temos nos preocupado com isso, mesmo com a nossa contínua luta no combate à corrupção. Noticiar na estrita veracidade das informações. Números e fatos incertos ou não apurados não devem ser divulgados, sob pena de se mascarar ou ludibriar uma situação, atrapalhando inclusive essa luta.

E reiteramos nossa preocupação para que a real finalidade da operação não seja desnaturada: a investigação de agentes públicos que utilizam de suas atribuições para obterem vantagens pessoais, cometendo crimes que colocaram em risco à saúde publica no Brasil, podendo inclusive ter matado pessoas. A prática da corrupção deve continuar sendo investigada e punida, não encontrado limite na preocupação em abstrato em questões econômicas e políticas, contudo com muita responsabilidade e cautela nas informações.

Todas as conclusões da operação, sejam elas de viés social, sanitário, econômico, devem ser averiguadas e analisadas, mas não se pode perder o foco do trabalho da Polícia, do Ministério Público e logo após do Judiciário, tudo acompanhando pelo olhar atento de todos os cidadãos.

Corrupção, fraudes, desvios de verbas são atualmente os maiores problemas do país e trazem consequências terríveis para todo nosso povo. São problemas graves como esses que impedem o país de avançar, de crescer no aspecto econômico e socialmente saudável.

E se todos nós sofremos as consequências negativas de um governo ineficaz por conta da corrupção, então todos nós devemos também fazer nosso papel de cidadão, fiscalizando e denunciando todas essas práticas irregulares e ilegais, não se contentando com que a imprensa muitas vezes publiciza com interesses escusos.

Não temos prova alguma de possíveis interesses escusos da mídia nesse momento, mas não é estranho que toda esse espetáculo midiático tenha ocorrido nas vésperas da aprovação da PEC terceirização, da discussão polêmica e intrigada da reforma da previdência e da tentativa espúria de mais uma reforma política que não mexe na estrutura do poder pelo poder e que ainda tenta dissimuladamente esconder os caciques e donos dos partidos políticos em lista fechada?

Com a palavra todos os cidadãos brasileiros que devem estar de olhos bem abertos a todos esses acontecimentos!